Muita arte na rede Ello. Visualize:

Muita arte na rede Ello:

domingo, 12 de maio de 2013

100 ANOS SEM ELENA GURO, PRIMEIRA EDITORA DO FUTURISMO RUSSO CANÔNICO. UM POEMA EM PORTUGUÊS.


100 ANOS SEM ELENA GURO, EDITORA DO FUTURISMO RUSSO CANÔNICO




Neste mês de maio de 2013 
estamos homenageando a poeta, pintora e primeira editora dos poetas conhecidos por nós brasileiros e lusófonos como pertencentes ao chamado cubofuturismo de Maiakóvski.  Elena Guro nasceu em San Petersburgo, em 30 de maio de 1877 e partiu do mundo em Uchikirkko, Finlândia, em 6 de maio de 1913, tendo então se completado 100 anos de sua morte. 
Segundo a Dra. MARY COGHILL da London Metropolitan University (Russian Formalism and Revolution), conforme palavras do seu marido, o músico associado ao futurismo russo, Mikhail Matiuchin, o seguinte poema, publicado em "Camelos Celestiais" (1914, após sua morte), foi uma espécie de descrição dos colegas futuristas contemporâneos feito pela vanguardista Elena Guro.
É uma tradução provisória, respeitando rigorosamente a posição das rimas e, como de hábito, em se tratando de línguas que desconheço, posponho à minha tradução uma tradução mais próxima do literal, sem compromissos com a estética original do poema de Guro.



            Do livro «Небесные верблюжата», 1914)


        
 ***

          Ветрогон, сумасброд, летатель,
        создаватель весенних бурь,
        мыслей взбудораженных ваятель,
        гонящий лазурь!
        Слушай, ты, безумный искатель,
        мчись, несись,
        проносись, нескованный
        опьянитель бурь.







***


                                                          Carminativo, voador, arrojado,
                                                          autor de tormentas primaveris,
                                                          escultor de pensamentos agitados,
                                                          o azul seguis!
                                                          Ouvi, vós, - pensador desajuizado -,
                                                          é arrancar, riscar,
                                                          rodopiar, - entorpecedor
                                                          inato de temporais.


                                                          Elena Guro - Trad. Adrian'dos Delima







                                     De "Camelos celestiais (1914)" 













Carminativo, impulsivo, voador,           louco ... flutuante
criador de tormentas de primavera,      tempestades
escultor de ideias inquietas,                  agitadas, pensamentos
seguindo o azul!
Ouça,você, cientista sem juízo,            pesquisador... insano, imprudente
arrancar, riscar,
rodopiar, inato
entorpecedor de tormentas.



NOTA: arrancar, riscar, rodopiar são um grupo de palavras(o grupo 
azul,rimado, além do mais) que já uso, em português, na verdade, para criar uma certa harmonia. como no original, pertencem todas a um mesmo campo semântico e, mais, são sinônimas imperfeitas, como qualquer sinônimo. a idéia básica é "correr": a velha velocidade futurista. pé na tábua, passar feito um foguete, voar, passar como o vento, sair apressado - idéias assim.