Muita arte na rede Ello. Visualize:

Muita arte na rede Ello:

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Poema de Reuben Woolley, em tradução de Adrian'dos Delima.

Reuben Woolley é um poeta inglês e reside em Saragoça.



holes within holes she digs

trash
& trinkets i found
in dust / the crumbled
walls

where i cannot fully
see a space / an open
story of possible

hidden

between

ah fuck the sender
of such

news

it repeats
the following tremors

bring

down

the gilt & murals
all.this
she said
& continued
with fingers & nails


..................................


furos dentro de furos ela escava

lixo
& bijuterias que achei
em pó / o esmigalhado
paredes

onde eu não posso totalmente
ver um espaço / uma aberta
história do possível

escondida

entre

ah foda-se o remetente
de tais

notícias

repete
os seguintes tremores

trazer

abaixo

o dourado e os murais
tudo.isso
ela disse
& continuou
com dedos e unhas


Tradução Adrian'dos Delima

domingo, 20 de agosto de 2017

Traduções de dois poemas de Blanca Varela, por Adrian'dos Delima.

Traduções de dois poemas de Blanca Varela, por Adrian'dos Delima.

Vientos de otoño por Jem Wong.




Diálogo

Él abre la boca
es roja por dentro
ella abre los ojos
su córnea es blanca
como la luna

se está quieta
la córnea luna
iluminando apenas
la bienamada encía

adentro
con silencio
a boca cerrada
a oscuras
habitan ambos

  
 *

Diálogo

Ele abre a boca
é vermelha por dentro
ela abre os olhos
sua córnea é branca
como a lua

está quieta
a córnea lua
iluminando apenas
a bem-amada gengiva

dentro
com silêncio
à boca fechada
às escuras
habitam ambos


 ********************************************


Escena final

He dejado la puerta entreabierta
soy un animal que no se resigna
a morir la eternidad
es la oscura bisagra que cede
un pequeño ruido en la noche
de la carne
soy la isla que avanza sostenida
por la muerte o una ciudad
ferozmente cercada
por la vida
o tal vez no soy nada
sólo el insomnio
y la brillante indiferencia de los astros
desierto destino inexorable el sol de los
vivos se levanta reconozco esa puerta
no hay otra hielo primaveral y una
espina de sangre en el ojo de la rosa.



 Escena final

Deixei a porta entreaberta
sou um animal que não se resigna
a morrer a eternidade
na escura dobradiça que cede
um pequeno ruído na noite
da carne
sou a ilha que avança sustentada
pela morte ou uma cidade
ferozmente cercada
pela vida
ou talvez não sou nada
só a insônia
e a brilhante indiferença dos astros
deserto destino inexorável o sol dos
vivos se levanta reconheço essa porta
não há outra gelo primaveril e um
espinho de sangue no olho da rosa.













Encontre mais poemas de Blanca Varela, no original:
http://sergiomansilla.com/revista/descargar/varela__blanca__secreto_de_familia_y_otros_poemas.pdf

sábado, 15 de julho de 2017

Poem about the pride of being socialist. By Adrian'dos Delima. Translation Adrian'dos Delima. Poema sobre o orgulho de ser socialista. De Adrian'dos Delima.

Adrian'dos Delima poem about the pride of being socialist. Poema de Adrian'dos Delima sobre o orgulho de ser socialista.



Declaration of Independence


Now sing
Now silence
Silence since the year 1822*
Silence the neighbors of my house
            The red flag
Beat the tips
It seems to me the tongue
I put by the window 
For any look that is amazed
In the streets that are cut down there
I cut this cloth
Of my misfortunes
            Is not the beautiful virgin
My wife was stoned
They want to wrest my fingers
Me doing the work of machines
That's why I gathered my friends
They all made verses
The syndicate taught me in childhood
To be doctrinaire I said silence Hey Friends
            No line more to those
They who sing their songs
Without music slander or derision
Swig their goblets buy novelties
Of love we will grind the seeds
And this year we will not have harvests
Crushed like this was a comrade
In an accident under the deafness of factories
            And then they wanted us smiling
Singing la la las
This year is the year of blood in the veins
I put for the window the red flag
With rain or sun
It points in the direction to stop
It's there when the rain starts
It continues when the people begin cursing
            It’s what everyone wants
Magdalene yellow star
That none will never have
And they decree an end to the history of poetry
Because I since I know about the things
I yell what everyone knows
To those who sweat the forehead making verses
I said end to restart who knows

*1822 - Date of declaration of the independence of Brazil.


DECLARAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA

Agora cantar
Agora silêncio
Silêncio desde o ano de 1822
Silêncio os vizinhos da minha casa
            A bandeira vermelha
            Bate as pontas
            Me parece a língua
            Que ponho pela janela
A todo olhar que pasma
Nas ruas que se cortam lá embaixo
Eu cortei este pano
Das minhas desgraças
            Não é a bela virgem
            Minha mulher foi apedrejada
            Querem me arrancar os dedos
            Fazendo o trabalho das máquinas
Por isso eu juntei meus amigos
Todos eles faziam versos
O sindicato me ensinou na infância
A ser doutrinário silêncio eu dizia Ei Amigos
            Nenhuma linha mais pra aqueles
            Eles que cantem as suas canções
            Sem música maldizer ou escárnio
            Entornem suas taças comprem novidades
O amor trituraremos as sementes
E este ano não teremos colheitas
Esmagado assim foi um companheiro
Num acidente sob a surdez das fábricas
            E depois nos queriam sorridentes
            Cantando lá-lá-lás
            Este ano é o ano do sangue nas veias
            Pus pela janela a bandeira vermelha
Com chuva ou com sol
Ela aponta no sentido de parar
Ela está lá quando a chuva começa
Ela continua quando o povo começa o xingamento
            É ela que todos querem
            Madalena estrela amarela
            Que nunca nenhum vai ter
            E decretam fim à história da poesia
Porque eu como sei das coisas
Clamei o que todos sabem                            
Aos que suam a testa fazendo versos
Disse fim pra recomeçar quem sabe                                      

01/10/1994






quinta-feira, 15 de junho de 2017

ENTREVISTA COM ADRIAN' DOS DELIMA para a Coluna Diamante, do Jornal Delfos.

ENTREVISTA COM ADRIAN' DOS DELIMA

Adrian'dos Delima é um poeta e tradutor natural da cidade Canoas-Rio Grande do Sulnascido em 1970 e politicamente engajado.

Ateu Poeta: 1:_Você decidiu virar escritor, ou isso foi acontecendo na sua vida? Conte porque você se dedica à Literatura.

Adrian'dos Delima:_ Não me considero primeiramente um escritor e, sim, um poeta. Vejo uma não tão sutil diferença entre estas duas categorias. Vejo a poesia como uma arte à parte, aproximada da música e das artes plásticas, que eram os meus maiores interesses quando comecei a escrever poesia. No entanto, não decidi de uma vez só me tornar um poeta. Comecei a produzir poesia por necessidade de expressãoe, escrevia somente para mim. A poesia era uma espécie de auto-análise. 

No entanto, por uma tendência natural minha, fui aproximando minha poesia de auto-análise e expressão das artes visuais e da música, fui lendo muita poesia e copiando e misturando o estilo de vários poetas. Faltava dar o passo da comunicação, e acho que só atingi uma escrita mais comunicativa definitivamente quando comecei a publicar na internet e em livros

Acho que, aí, deixei de ser um artista individualista e me tornei algo mais próximo do que se pode chamar de um poeta-escritor.Acho o elemento comunicação essencial para qualificar um literato como escritor. 

O escritor busca representar uma voz coletiva. O mero literato espera que o acaso o transforme em uma voz interessante para outros corações e mentes.


Ateu Poeta: 2:_Você acredita que os artistas devem ser engajados? E por quê?

Adrian'dos Delima:_ Não acho que um artista necessite ser, diretamente, engajado. Acho que todo ser humano deve, sim, ser político. Todo ser humano tem demandas com a sociedade. Por isso, mesmo ao se expressar ou auto-analisar, a dimensão política da sociedade acabará se manifestando

O nosso atrito com a sociedade, com as políticas públicas ou individuais. Por exemplo: queremos falar do mar e de sua beleza; isto é arte pela arte. Mas vemos muito lixo boiando no mar. Ao nos referirmos a ele, estaremosfazendo políticafalando das políticas de cada ser humano que opta por sujar a praia e das políticas públicas que optam por não limpar a praia nem trazer consciência ecológica ao eleitorado porque, talvez, existam assuntos mais urgentes para os administradores, legisladores, magistrados, etc. Acredito que o artista é, naturalmente, engajado.



Ateu Poeta: 3:_Desde quando você começou a traduzir poesias de esquerda para o Inglês e por qual razão?

Adrian'dos Delima:_Não considero que eu traduza “poesias de esquerda”. Traduzo poesia engajada para o Inglês e também para o Espanhol, mas que se enquadrem num espectro político dito“progressista”. 

Traduzo textos que manifestem um desejo de justiça social e democracia. Mesmo que um desejo de justiça social e democracia num sentido radical, podendo ser qualificado como um desejo ou ideal de esquerda. 

Primeiramente, eu traduzia poemas de vanguarda, ou de invenção, principalmente de meia dúzia de línguas para o Português. 

Com o acontecimento do fraudulento impeachment da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, em 2016, eu passei a enxergar uma séria ameaça aos avanços sociais dos últimos anos no Brasil. Esta temática passou a absorver em absoluto o meu interesse durante um certo tempo, e passei a buscar poemas que falassem desta ameaça para traduzir ao Inglês e ao Espanhol, a fim de divulgar e denunciar para o mundo os retrocessos que vinham ocorrendo no nosso País.

Ateu Poeta: 4: _Deixe um conselho para novos escritores que sonham em publicar alguma coisa e deixe algum contato para as pessoas que desejam comprar o seu livro.

Adrian'dos Delima:_ Para escritores em geral eu não teria um conselho, mas posso passar alguma experiência para poetas iniciantes

O mercado editorial para poesia quase inexiste no Brasil. Se isto causa algum desalento, por outro lado, nos dá uma liberdade imensa. Não temos editores para “podar” o que escrevemos dizendo “isto vende ou não vende”. 

Podemos dizer o que queremos, mesmo que precisemos pagar pela nossa publicação. Então, nunca se preocupe em agradar um público qualquer, ao menos enquanto você não tem um público específico. Quando você tiver um público mais ou menos definido, pode pensar em se autocensurar. 

Mesmo assim, restará a liberdade ante aos editores. É isso. Se alguém tiver interesse nos meus livros“Consubstantdjetivos comuns” ou “O aqui fora olholhante”, pode me contatar através do e-mailpoetargs@bol.com.br ou do Facebook Adriano Do Carmo Lima ouAdrian’dos Delima.

Ateu Poeta
(Historiador)
Entrevista via Facebook em 14/06/2017

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Poem by TT Catalão about the clamor for direct elections that spread through Brazil./ Poema de TT Catalão sobre o clamor por eleições diretas que tomou conta do Brasil.

Poem by TT Catalão about the clamor for direct elections that spread through Brazil./ Poema de TT Catalão  sobre o clamor por eleições diretas que tomou conta do Brasil.


Poem by TT Catalão about the clamor for direct elections that spread through Brazil./ Poema de TT Catalão  sobre o clamor por eleições diretas que tomou conta do Brasil.  






retired

in the case

it awaits

the end of sadness;



saved

in the box

it expects

the fall from

sleazy people;



the streets

don’t expect

don’t await

don’t defer

that is for now
today urgent already


 ***

recolhida

no estojo

aguarda

o fim do nojo;



guardada

na caixa

espera a

queda dessa

gente baixa;



as ruas

não esperam

não aguardam

não adiam

o q é pra agora

hoje urgente já

...

domingo, 7 de maio de 2017

r e X i s t, TT Catalão poem that keeps on fire the flame of resistance to the coup in Brazil. Translation Adrian'dos Delima. r e X i s t, poema de TT Catalão que mantém acesa a chama da resistência ao golpe no Brasil.



r e X i s t, TT Catalão poem that keeps on fire the flame of resistance to the coup in Brazil. Translation Adrian'dos Delima. r e X i s t, poema de TT Catalão que mantém acesa a chama da resistência ao golpe no Brasil.

r e X i s t, TT Catalão poem that keeps on fire the flame of resistance to the coup in Brazil. Translation Adrian'dos Delima. r e X i s t, poema de TT Catalão que mantém acesa a chama da resistência ao golpe no Brasil.


r e X i s t

não é
vã a luta
q se nutre
d vida qdo
se alimenta
dos muitos
q convida...

um mais
mais uma
mais outro
mais outra
mantemos
a chama

o lume
vencerá
a lama...

sábado, 8 de abril de 2017

Anauê, a poem by Vê Barbosa that exposes the atmosphere and the pretexts for the coup of 16 in Brazil./ Anauê, poema de Vê Barbosa que expõe o atmosfera e os pretextos para o golpe de 16 no Brasil.




 
Coup: in the name of God too.




ANAUÊ 
  
There were insignias, signs
There were swastikas (in
Brazil), and there is still!
Hidden behind
Of the talk, the uniform, the
Cynical laughter of some
Parliamentarians.
How much life
Repressed! How much
Kidnapped sons,
How much blood
Spilled in
The name of Peace
In the name of
God, in the name of
The order and the
Progress.


***


ANAUÊ



Havia insígnias, signos
Havia suásticas (no
Brasil), e ainda há!
Escondidas por trás
Da fala, da farda, do
Riso cínico de alguns
Parlamentares.
Quanta vida
Reprimida! Quanto
Filho sequestrado,
Quanto sangue
Derramado em
Nome da Paz
Em nome de
Deus, em nome
Da Ordem e do
Progresso.


Vê Barbosa


NOTE/NOTA: Anauê is a word with origins in the language of the Tupi Indians, which was adopted as a greeting by Brazilian Integralism (pro-fascist movement of the early twentieth century in Brazil)./ Anauê é uma palavra com origem na língua dos índios Tupi, a qual foi adotada como saudação pelo Integralismo brasileiro (movimento pró-fascismo do início do século XX no Brasil).

domingo, 2 de abril de 2017

Ricardo Mainieri poem about the politicians who damage your homeland. Poema de Ricardo Mainieri sobre os políticos que prejudicam sua terra natal.

Ricardo Mainieri poem about the politicians who damage your homeland.  Poema de Ricardo Mainieri sobre os políticos que prejudicam sua terra natal.

2016 Coup in Brazil, Twelfth month. Golpe no Brasil de 2016, décimo-segundo mês.







THE ANTI-HOMELAND

certainties
has cloudy
consistency
flow
at a command
coercive
social achievements
molded in the mortar
of sweat & tiredness
escape at night
fugitives
become powder
in the cooled arena
where men legislate
and we watched all
impotent
with coagulated anger
domesticated scream
death
prowling
the hearts.

Translation by Adrian'dos Delima

***

OS LESA-PÁTRIA

certezas
tem consistência
nublada
fluem         
a um comando
coercitivo
conquistas sociais
moldadas na argamassa
de suor & cansaço
evadem-se na noite
fugitivas
tornam-se pó
na arena refrigerada
onde homens legislam
e assistimos a tudo
impotentes
raiva coagulada
grito domesticado
morte
rondando
os corações.


by Ricardo Mainieri